Loading...

domingo, 21 de outubro de 2012

ABRIDEF

Normatizar o setor da pessoa da com deficiência, mobilidade reduzida e idosos, certificar os produtos e serviços desse setor, garantindo a qualidade e segurança para o consumidor final; zelar pelo cumprimento das normas legais e padrões técnicos, conforme pertinentes à atividade de cada associado; promover o intercâmbio nacional e internacional de tecnologias, informações e experiências, dentro de sua área de atuação; cooperar e orientar os poderes públicos no sentido de elevar o padrão do nível técnico e de prestação de serviços no país; promover e apoiar atividades culturais que contribuam para a consecução dos objetivos institucionais

ACESSIBILIDADE: AS PESSOAS CEGAS NO ITINERÁRIO DA CIDADANIA.

O presente trabalho destina-se, especialmente, aos leitores que podem ler e enxergar com os próprios olhos e, talvez, desconheçam ou mistifiquem a experiência não visual. Foi elaborado com a intenção de ampliar as informações sobre o tema da acessibilidade, a partir de um referencial particular, o da realidade vivida por pessoas cegas ou com baixa visão. Baseia-se em uma sondagem aleatória, tendo como referência um questionário com 12 perguntas, divulgado na internet, entre usuários de ledores de tela e softwares com síntese de voz, além das incursões de minha vida pessoal e profissional. O questionário foi respondido por 83 pessoas das quais 71 são do Brasil e 12 de Portugal. Entre os brasileiros, 23 são jovens e estudantes que não utilizam computadores. As respostas obtidas foram selecionadas e organizadas em tópicos que explicitam aspectos relevantes para esboçar um traçado dos centros urbanos e compreender a dinâmica de relações entre os cidadãos e o meio circundante. A síntese dessas respostas configura um painel das principais barreiras e entraves detectados.

Autora: Elizabet Dias de Sá

terça-feira, 26 de junho de 2012

A Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro em parceria com o Crupo Cipa Feira Milano e promoção da Miksom Rio, organizará pela segunda vez na cidade a REACESS, voltada para apresentar soluções em acessibilidade, reabilitação e inclusão para pessoas com deficiência, idosas e obesos.
A REACESS - Feira Nacional de Reabilitação, Inclusão e Acessibilidade será realizada de 29 de junho a 1 de julho.
Mais informações em: http://www.reacess.com.br


segunda-feira, 25 de junho de 2012

Pelo esporte seguro e inclusivo


 A Rejupe foi criada a partir do apoio do UNICEF e do programa britânico International Inspiration. O programa faz parte dos esforços do Reino Unido para a construção do legado social dos Jogos Olímpicos de Londres.
A reunião da Rejupe no Rio é a segunda da série de encontros da rede promovidos pelo UNICEF nas 12 cidades-sede da Copa do Mundo de 2014.
Durante cada um dos encontros, os adolescentes conhecerão o planejamento dos municípios para a Copa 2014 e deverão elaborar propostas para promoção e defesa dos direitos de crianças e adolescentes no esporte e por meio do esporte.
O objetivo da rede é promover a integração e a participação qualificada de adolescentes das cidades-sede da Copa do Mundo de 2014 em espaços de discussão de políticas públicas de esporte seguro e inclusivo para crianças e adolescentes brasileiros.
A ideia é garantir que jovens lideranças contribuam para a construção de um legado social positivo para os megaeventos esportivos que serão realizados no País. Os encontros têm o apoio do Instituto Internacional para o Desenvolvimento da Cidadania (IIDAC) e de parceiros do governo e da sociedade civil.

Legados do Rio 2016™ em acessibilidade


Na apresentação, Tânia Braga enumerou alguns dos legados planejados por Rio 2016™: melhoria da infraestrutura de acessibilidade urbana; infraestrutura de acessibilidade nas instalações olímpicas e paralímpicas; desenvolvimento de estruturas esportivas para pessoas com deficiência; indicadores do estudo OGI Rio 2016 relativos à acessibilidade permitindo medição, monitoramento e análise; e, em especial, a mudança de percepção em relação às capacidades das pessoas com deficiência, assim como do aumento da autoestima e das oportunidades para essas pessoas.
“A aplicação das diretrizes de acessibilidade do Comitê Paralímpico Internacional, em consonância com a adoção do que é estabelecido pela legislação brasileira sobre acessibilidade, nos permitirá entregar a estrutura dos Jogos de forma totalmente acessível para todos. É o nosso compromisso tanto para os Jogos Olímpicos quanto para os Jogos Paralímpicos”, afirmou a gerente.
Presente ao seminário, o diretor da divisão de conferências e publicações da Organização das Nações Unidas (ONU), Magnus Olafsson, afirmou que a Rio+20 é um exemplo para os próximos eventos mundiais em termos de acessibilidade. Segundo Olafsson, já é possível falar de um “modelo brasileiro”, que será utilizado nos próximos encontros da ONU e pode servir para os próximos grandes eventos que a cidade do Rio de Janeiro e o Brasil vão receber nos próximos anos.
“A Rio+20 é muito importante pela experiência para os próximos desafios. Vem sendo um teste de metodologia com excelentes resultados. Aqui, não falamos só do acesso físico, mas do acesso a documentos, a encontros. No passado, muitas pessoas deixaram de participar por conta disso. Esta é a primeira convenção totalmente acessível. Temos audiodescrição, legenda em tempo real, linguagem de sinais, Braille, sinalização, um website acessível, arquitetura e transporte pensados neste sentido, voluntários capacitados e vai além. Acessibilidade é uma questão de direitos humanos. Rio+20 é um exemplo do Brasil para o mundo”, avaliou o diretor.
Data: 26 de junho de 2012.

segunda-feira, 18 de junho de 2012

Pessoas com deficiência participarão da Olimpíada do Conhecimento

Um grupo de 40 pessoas com deficiência participará da Olimpíada do Conhecimento deste ano. É a primeira vez que o maior torneio de educação profissional do país terá provas específicas para pessoas especiais mostrarem suas habilidades nas profissões que escolheram. A Olimpíada do Conhecimento é uma competição bienal de educação profissional, organizada pelo Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (SENAI).
No torneio, estudantes de cursos técnicos e de aprendizagem profissional do SENAI e do Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial (Senac) exibem as habilidades pessoais e os conhecimentos técnicos exigidos para o desempenho de atividades na indústria e nos setores de comércio e serviços. Neste ano, o evento reunirá mais de 700 competidores entre 12 a 18 de novembro no Anhembi, em São Paulo.
A exemplo do que é exigido dos demais estudantes, durante as provas, os alunos deficientes deverão executar tarefas do dia a dia do trabalho nas empresas dentro de rigorosos prazos e padrões de qualidade. Os portadores de síndrome de Down vão competir na ocupação de panificação. Os cadeirantes disputarão medalhas na ocupação de mecânica de automóveis. Os deficientes visuais competirão em tecnologia da informação e os auditivos participarão de provas de costura industrial.
De acordo com a gestora do Programa SENAI de Ações Inclusivas, Loni Mânica, o SENAI oferece capacitação profissional para pessoas com deficiência. Nas Olimpíadas anteriores, esse trabalho era apresentado em oficinas demonstrativas. Neste ano, os deficientes participarão das provas e concorrerão a medalhas e certificados que confirmarão a qualificação técnica e pessoal para o desempenho da profissão.
Loni explica que o objetivo de colocar deficientes na competição é fazer com que esses alunos sejam vistos pelo público e pelos empresários da indústria como indivíduos competentes. “Os empresários que visitarem a Olimpíada verão que essas pessoas são capazes de desenvolver ações dentro das empresas”, afirma Loni. Outro ganho, explica ela, é a convivência entre os jovens estudantes. “Eles vão dividir com os demais competidores o auditório, o refeitório. Isso favorecerá a inclusão social dos deficientes”, afirma Loni.

Fonte: http://www.senaiolimpiadas.com.br/?p=1135
Data: 18-06-2012.